Está querendo discutir por horas a fio? Aqui pode ser o seu lugar!

  • 1
  • 2445
  • 2446
  • 2447
  • 2448
  • 2449
  • 2456

 Nitro
  •  32419 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Turin escreveu: A lógica é exatamente a mesma, com a diferença que o Bolsonaro tá propondo que esse desconto seja convertido em um pagamento único para o familiar, enquanto usualmente se tem um pagamento mensal
    Pelo o que eu entendi do que ele falou, ficaria uma coisa semelhante a seguro de vida (só que compulsório).
    Turin  isso

     .Kiko.
  •  37408 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Alric escreveu: Não duvido o Temer vir como vice do Jair

    Ele não é burro de participar de uma chapa que ele sabe que vai perder.

    Já disseram na imprensa que ele quer voltar a ser deputado federal.

     Fábio 100 anos
  •  2807 posts
  •  

    O vice do Bolsonaro muito provavelmente será o Fábio Faria e o partido o PP.
    Porém, ainda existem negociações no que tange a governadores. O Bolsonaro quer indicar os governadores, mas o PP não quer, pelo menos 100%.

    Lira :emocao:
    Amanhã será um grande dia.

     Pip
  •  1741 posts
  •  

    .Kiko. escreveu:
    Alric escreveu: Não duvido o Temer vir como vice do Jair

    Ele não é burro de participar de uma chapa que ele sabe que vai perder.

    Já disseram na imprensa que ele quer voltar a ser deputado federal.
    ideal seria ele de senador

    imagina lula ganhando e o Temer sendo o cara que pode ou não pautar impeachment (considerando uma vitória como presidente do senado)?

    :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper:

     .Kiko.
  •  37408 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Código Eleitoral implodirá controle sobre bilionários fundos eleitoral e partidário
    Claudio Dantas
    13.09.21 17:09



    Como registramos na semana passada, o Código Eleitoral teve seu texto-base aprovado no plenário da Câmara, que, em seguida, retirou por meio de destaques um dos principais jabutis da proposta: a quarentena eleitoral para juízes, promotores e policiais. Mas muitos outros artigos polêmicos ainda precisam ser analisados pelos deputados.

    A versão aprovada é um retrocesso gigantesco na transparência e na integridade de partidos e campanhas, criando obstáculos na fiscalização social das contas partidárias e eleitorais, hoje irrigadas com bilhões em recursos dos eleitores pagadores de impostos.

    O Antagonista, com ajuda de especialistas em lei eleitoral, selecionou os pontos mais polêmicos. Leia abaixo:

    1. Aumenta a impossibilidade da Justiça Eleitoral analisar aplicação dos recursos do Fundo Partidário pelas Fundações e Instituições partidárias (art. 67, § 2º);

    2. Contas não aprovadas em 180 dias serão consideram aprovadas, prazo extremamente curto que na prática significa que contas não serão analisadas com processos atuais da Justiça Eleitoral (art. 69, § 11º). Isso significa por ano R$ 1 bilhão de Fundo Partidário (ou mais) pode não passar de fato por exame de contas;

    3. Aprova contas com falhas não superiores a 20% do valor total do Fundo Partidário. Hoje a jurisprudência de 5%, o que quadruplica o máximo tolerável de irregularidades (art. 69, § 14º);

    4. Permite parcelar em até 60 vezes valores a serem restituídos por aplicação irregular de recursos (art. 69, § 15º);

    5. Além de acabar com a utilização de sistema próprio da Justiça Eleitoral para apresentação das contas dos partidos, isenta os diretórios municipais de prestarem contas por meio de sistema eletrônico, as quais poderão ser apresentadas por simples documentos físicos, o que compromete a transparência e integridade das informações prestadas à Justiça Eleitoral (art. 69, § 16º);

    6. Retira do texto inicialmente apresentado a obrigação de detalhamento das despesas com pessoal, dificultando a fiscalização desse tipo de gasto pela Justiça Eleitoral (Exclusão da redação do art. 410, § 11º);

    7. Permite a utilização do Fundo Partidário para pagar dívida partidária de outros órgãos partidários que estejam impedidos de receber verbas do Fundo (Exclusão art. 421, § 1º);

    8. Dificulta a fiscalização de caixa 2 pela Justiça Eleitoral, que fica limitada a verificar a regularidade da origem e da destinação dos recursos à finalidade eleitoral (art. 429 e art. 460). Isso impossibilita a coleta de informações externas às contas, como também impede a constatação da movimentação de recursos não declarados (caixa 2);

    9. Retira do texto inicialmente protocolado a obrigatoriedade de que Justiça Eleitoral analise a documentação apresentada para comprovação de despesas com recursos públicos no caso de prestações de contas simplificadas – aquelas cuja movimentação financeira não seja superior a R$ 25 mil, de candidatos derrotados (regra regal) e de candidatos em municípios com menos de 50 mil eleitores – (Exclusão do art. 441, Par. Único);

    10. Desobriga a apresentação de informações durante a campanha por meio de sistema próprio da Justiça Eleitoral, comprometendo a transparência e a divulgação de informações financeiras durante a campanha (art. 444);

    11. Sobe a barra para quebra de sigilo fiscal, exigindo existência de prova pré-constituída para determinação de quebra dos sigilos de candidatos, partidos e doadores ou dos fornecedores de partidos políticos e candidatos (art. 445, § 2º);

    12. Impossibilita a Justiça Eleitoral de requisitar técnicos dos Tribunais de Contas no exame das prestações de contas (Exclusão do art. 445, § 5º);

    13. Retira o dever compulsório de que órgãos e entidades da Administração Pública passem dados à Justiça Eleitoral para confronto de informações prestadas por partidos e candidatos (art. 462).

    Além desses pontos de retrocesso, há outros que constavam da minirreforma eleitoral já enviada ao Senado e que ganham reforço também no texto do Código Eleitoral — mas deveriam ser revisados antes da conclusão da votação.

    Leia abaixo:

    1. Permite ao Congresso Nacional cassar resolução do TSE que considere exorbitar os limites e atribuições previstos em lei (art.130, §1º);

    2. Permite que os partidos utilizem o Fundo Partidário para qualquer tipo de despesa (art. 67, XII);

    3. Acaba com o sistema da Justiça Eleitoral usado para prestação de contas partidárias e dificulta a fiscalização por seus técnicos (art. 69);

    4. Retira o poder regulamentar do TSE sobre os procedimentos para prestação de contas partidárias e de campanha (art. 130);

    5. Estabelece R$ 30 mil como valor máximo para multar os partidos por desaprovação de suas contas (art. 69, § 10);

    6. Determina que a devolução de recursos públicos usados irregularmente pelos partidos ocorrerá apenas “em caso de gravidade” (art. 69, § 10);

    7. Diminui o prazo para a Justiça Eleitoral analisar as contas dos partidos políticos de cinco para três anos, facilitando a prescrição (art. 69, § 13);

    8. Retira o caráter jurisdicional e atribui caráter meramente administrativo às prestações de contas (art. 69, § 13), possibilitando que a execução de eventuais condenações seja submetida ao exame de outros órgãos e dificultando a aplicação de penalidades aos partidos, que poderão rediscutir aplicação de sanções de forma indefinida, facilitando a prescrição;

    9. Permite que os partidos contratem empresas privadas de auditoria para fiscalizar suas próprias contas (art. 70);

    10. Limita o prazo de divulgação de pesquisas de intenção de votos até a antevéspera das eleições, retirando a possibilidade de conferência da regularidade de pesquisas realizadas no período e, por consequência, estimulando a circulação de desinformação e violando o direto à livre informação confiável e responsabilizável (art. 573);

    11. Legaliza o financiamento de candidaturas masculinas com recursos financeiros das candidaturas de mulheres e de pessoas não negras com recursos destinados às candidaturas de pessoas negras (Art. 391, VI, VII, VIII);

    12. Retira o poder consultivo dos tribunais eleitorais (art. 77);

    13. Retira da Justiça Eleitoral a análise das contas das fundações partidárias, que recebem recursos do Fundo Partidário, e a transfere para o Ministério Público, contrariando decisão do TSE (PC nº 0000192-65/DF) (art. 76);

    14. Blinda os candidatos de quaisquer causas de inelegibilidade infraconstitucionais que ocorram após o registro da candidatura (art. 203, §1º);

    15. Instituí o crime de caixa dois eleitoral, mas com pena máxima passível de acordo de não persecução penal (art. 892 e art. 28-A do CPP);

    16. Restringe a aplicação de multa no caso de propaganda eleitoral negativa apenas aos casos em que ocorrer “acusações inverídicas graves e com emprego de gastos diretos” (art. 490, 2º), podendo levar a um aumento dos discursos de ódio e ofensas pessoais durante as campanhas;

    17. Descriminaliza o transporte irregular de eleitores, que passa a ser infração cível, punida com multa de R$ 5 mil a R$ 100 mil (art. 221, § 2º);

    18. Revoga os crimes do dia da eleição, como o uso de alto-falantes, comício ou carreata e boca de urna (art. 39, §5º, da Lei nº 9.504/97), que também passam a ser infração cível punível com multa de R$ 5 mil a R$ 30 mil (art. 568, § 1º);

    19. Passa a exigir para cassação de mandato, entre outros, a presença cumulativa de alguma forma de violência e a demonstração de probabilidade de nexo causal entre a conduta ilícita e o resultado da eleição como condições para cassação de mandatos, o que inviabilizaria a pena em caso de compra de votos, por exemplo (art. 631);

    20. Restringe aos membros do partido eventual questionamento judicial de norma estatutária ou programática que violar direito ou garantia fundamental, estabelecendo que o Ministério Público só poderia agir na hipótese de desistência deles, dificultando o controle democrático sobre a emergência de agremiações extremistas, autoritárias ou violadora dos direitos humanos (art.31, § 2º).

    @Turin e @Mucamo vão analisar e comentar cada ponto da matéria. ;)

     hyper1
  •  1357 posts
  •  

    ArnaldoCésar escreveu: Imagem
    Pior que eu já estava lendo: "Portanto, para manter minha coerência, em 2018, voto Bolsonaro". :lolsuper:

     hyper1
  •  1357 posts
  •  

    Vai vendo, Brasil, vai vendo :lolsuper:

    Detalhe, foi exonerado hoje só, com a fuga.



    Um ex-assessor do senador Marcos Rogério (DEM-RO) e outras 13 pessoas continuam foragidas da PF (Polícia Federal) em uma investigação que apura um esquema de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em Rondônia e no Ceará. Marcelo Guimarães Cortez Leite ficava na base política do senador em Porto Velho. Ele está foragido desde o dia 1º de setembro e a PF segue efetuando buscas.

    No início de setembro, o juiz Luís Antônio Sanada Rocha, da 1ª Vara de Delitos de Tóxicos de Porto Velho, determinou ao todo 60 mandados de busca e apreensão e 42 prisões preventivas. Até o momento, 28 pessoas foram presas.
    Colunistas do UOL

    Segundo a PF, as investigações estão desarticulando uma organização criminosa responsável pelo envio de carregamento de drogas de Rondônia para Fortaleza. Os investigadores informaram que o grupo movimentou uma tonelada de cocaína e chegou a receber R$ 1,5 milhão em 15 dias. Também é apurado o esquema de lavagem de dinheiro utilizado pelos criminosos.

    A coluna apurou que Leite era tido como alguém de confiança, casado com uma promotora local. Leite foi exonerado no mesmo dia em que a operação foi deflagrada.

    Em nota, a assessoria do senador informou que o parlamentar foi "surpreendido com a notícia de busca e apreensão na casa de um dos meus assessores, lotado no escritório de apoio parlamentar de Porto Velho, RO. Não tenho informações se existe ou não envolvimento na prática de algum ilícito, mas em decorrência das investigações em curso decidi exonerá-lo, aguardando maiores esclarecimentos dos fatos".

    As investigações da Operação Alcance começaram em agosto de 2020. Segundo a PF, verificou-se que "integrantes do grupo atuavam em duas frentes: um núcleo responsável na remessa de droga em carretas para o estado do Ceará e outro na ocultação do patrimônio". O líder do grupo foi preso em novembro do ano passado. Depois disso, as investigações foram ampliadas.

    Segundo a PF, foi descoberto que "sete remessas de drogas foram apreendidas totalizando cerca de uma tonelada de cocaína". Além disso, o "dinheiro da droga era recebido de forma dissimulada em contas bancárias" em nome de terceiros e empresas.

     hyper1
  •  1357 posts
  •  

    A respeito do tal do fib bank na cpi, teve uma laranja que teve o bolsa família bloqueado, motivo?, ela era dona de um banco. :lolsuper:

     Fábio 100 anos
  •  2807 posts
  •  

    Van Hattem fechou com o PP.

    Imagem



    Que por sinal é o mesmo partido que o Bolsonaro vem negociando.
    Acho que o Van Hattem já tem potencial para concorrer o senado e fortalecer a casa. Precisaremos de um senado valente para lidar com as tempestades que iremos ter a partir de 2023 além de aprovação de reformas que o Brasil necessita.

    O Lula e o Jair já vem negociando com candidatos com potencial para cargos de governador a disputarem o senado. A estratégia é parecida para ambos.
    Provavelmente teremos alguns militares disputando as eleições para governador.

     v00d00
  •  2676 posts
  •  

    Alric escreveu:
    destes aí, salvo engano, só os marinho que não tem ascendência árabe.


    povo superior demais


    me chupem

     .Kiko.
  •  37408 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Você foi o garçom no jantar que comemorou o acordão
    Mario Sabino
    14.09.21 10:59



    O jantar comemorativo do acordão costurado pelo ex-presidente Michel Temer, que conseguiu mais uma vez manter isso aí, viu, teve como anfitrião o senhor Naji Nahas, que quebrou a Bolsa do Rio de Janeiro em 1989, acusado de comandar um esquema especulativo que usava mais de 100 laranjas para inflar os preços de ações que eram do seu interesse. O americano Bernard Madoff morreu na cadeia, com o nome enxovalhado depois que a sua bilionária pirâmide financeira desabou; o libanês-brasileiro Naji Nahas será enterrado em túmulo esplêndido, pranteado por poderosos brasileiros que com ele dividiram mesa para salvar o Brasil da honestidade e da decência.

    Engana-se quem pensa que foi Jair Bolsonaro que foi feito de bobo no jantar que teve como sobremesa uma imitação do presidente da República, mais uma, feita por um jovem humorista, filho de um velho de guerra. Os brasileiros é que, outra vez, foram feitos de bobos: o acordão que salvou a pele do atual presidente da República, a pretexto de nos preservar de uma crise institucional, como se crise já não houvesse, prolonga a tragédia de um país que hoje tem renda per capita menor do que a da República Dominicana, terá perdido 600 mil vidas por causa da pandemia e conta com uma massa de desempregados e miseráveis jamais vista. Prolonga porque, para além de continuarmos a ter de suportar um energúmeno no Palácio do Planalto, a permanência de Jair Bolsonaro abre uma autoestrada para Lula ser eleito presidente da República em 2022, enquanto João Doria rebola na avenida Paulista, para meia dúzia de gatos pingados que se acham muito politizados ao chamar Bolsonaro de “corno”.

    Com Lula, se tudo der certo, teremos um crescimento medíocre, numa casa minha vida que não tinha teto, não tinha nada, com crediários a perder de vista e um economista como Marcio Pochmann no comando do espetáculo. O sujeito quer reprisar o Brasil de “projetos grandiosos”, que nunca teve final feliz, e acha que o país tem de conquistar o “espaço sideral” para sair do atoleiro. Ele disse isto ontem, em entrevista ao UOL: “Brasil não tem GPS. Como podemos dizer que Brasil é país autônomo quanto todo o seu sistema de informação e comunicação vinculado ao espaço sideral, portanto à internet, depende de empresas que não são brasileiras?”. Estaremos perdidos também no espaço, depois de furarmos o teto com fogos de artifício.

    A tragédia brasileira já está com a próxima temporada contratada, e a outra, e a outra. Quem ganha com ela é esse tipo de gente que se reuniu na casa do probo Naji Nahas, para festejar o acordão. Gente que quer o povo brasileiro apenas uniformizado de garçom, para lhe servir vinhos de 30 mil reais a garrafa — escolhidos por um especulador e pagos sempre pelo garçom.

    Você é o garçom.
    .

     Palmito
  •  11605 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Bom texto

    Nao tem como nao se achar otário vendo esse vídeo mesmo

     Boris Balkan
  •  1013 posts
  •  

    Bait, são essas versões "full" com opcionais que encarecem o preço final. Mas de qualquer jeito o "de entrada" é caríssimo também :lol:

    Lance é andar de civicao 99 automático.
    UltraRS  isso

     songohan2
  •  25590 posts
  •  

    Avatar do usuário




    Porra, olha esse Constantino, o cara passou da água pra diarreia em 2-3 meses. O cara mandava a real e depois passou a ser escravo e lambe-botas de governo e militância gadista.


    Espero que tenha valido MUITO a pena se vender.
    • 1
    • 2445
    • 2446
    • 2447
    • 2448
    • 2449
    • 2456

    MENSAGENS RECENTES

    José sims mas ela vai voltar

    vi o video abaixo e depois o do Zé. nem su[…]

    multiplayer é pra crianças e gordos […]

    :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper:

    Top Gang Corra que o Piloto Sumiu Corra que a Po[…]



    O melhor conteúdo: seguro, estável e de fácil manutenção, desde 2012