Glorious PC gaming master race vs. dirty console gaming peasants
  • 1
  • 357
  • 358
  • 359
  • 360
  • 361

 overday
  •  20941 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Encerrei a temporada de Saturno terminando mais dois joguinhos para o console:

    Há uns três meses eu terminei pela primeira vez o Sonic 3D Blast do Mega Drive. A visão isométrica sempre me fez perder a vontade de jogar mas até que achei legalzinho quando finalmente dei a chance, então fiquei curioso pra jogar também a versão 32 bits para ver as diferenças. Achei interessante, é o mesmo jogo mas tem uns detalhes a mais no cenário e as músicas são totalmente diferentes, bem melhoras como era de se esperar. As fases bônus também são diferentes, nessa versão são bem parecidas com as fases especiais do Sonic 2, porém 3D. Assim como fiz no Mega, terminei com todas as esmeraldas, embora não faça ideia do que isso mude no final do jogo.

    Imagem

    E dei também uma zeradinha no Real Bout Fatal Fury Special, que é de longe o meu jogo favorito da série Fatal Fury, gosto muito mais desse do que do extremamente overrated Mark of the Wolves. O port do Saturno é bem fiel à versão do Neo Geo, como era de costume, dava uma surra na versão do PlayStation.

    Imagem

    Depois dos créditos, nessa versão e na de Neo Geo CD, há um "clipe musical" da Blue Mary cantando a sua música tema. Não via esse clipe há mais de 20 anos, nostalgia pura :emocao:

     Paul_Andy
  •  31701 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Zerei o horizon e a DLC tbm
    Q jogo sensacional puta merda
    Peguei todos troféus só o New game + e ultra hard q não.
    Sem palavras o jogo eh fantástico começo meio lento mas dps o jogo voa. um dos melhores da geração

    Enviado de meu Redmi Note 9 Pro usando o Tapatalk

     Banido
  •  210 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Terminei novamente o God of War (2018) no PlayStation 5.

    Quem tem o ps5 e possui o jogo é mandatório jogar novamente.
    Salieri  isso

     Super Fofo
  •  43090 posts
  •  

    Avatar do usuário

    quanto mais jogo o over pega pior o gosto fica

    "não gosto de guardian heroes, garou overrated" big oof

     Magnífico
  •  14087 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Zerei Final Fantasy VII REMAKE

    Típica história nonsense japonesa o que acrescentaram. Jogo ia bem até a destruição do setor 7.

    Também dei uma de Overday e zerei DKC 1 do Snes ontem. Melhor que Tropical Freeze.

     overday
  •  20941 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Magnífico escreveu: Zerei Final Fantasy VII REMAKE

    Típica história nonsense japonesa o que acrescentaram. Jogo ia bem até a destruição do setor 7.

    Também dei uma de Overday e zerei DKC 1 do Snes ontem. Melhor que Tropical Freeze.
    Ah jura? :bigode:

     Mota Offspring
  •  55055 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Nem dá pra falar que zerar DKC é dar uma de overday, mainstream demais

    tinha que ter jogado algum jogo de luta obscuro que saiu pro game gear e é objetivamente pior que as versões de console, aí sim, overday cover

     overday
  •  20941 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Mota Offspring escreveu: Nem dá pra falar que zerar DKC é dar uma de overday, mainstream demais

    tinha que ter jogado algum jogo de luta obscuro que saiu pro game gear e é objetivamente pior que as versões de console, aí sim, overday cover
    Infelizmente o Game Gear não tem nenhum grande jogo de luta, na verdade deve ter no máximo uns 10 jogos de luta diferentes e todos bem fraquinhos :chorar:

    Mas tem uns jogos de plataforma maneiros que são melhores do que muita coisa que saiu nos consoles de mesa :bigode:

     Mota Offspring
  •  55055 posts
  •  

    Avatar do usuário

    overday escreveu:
    Mota Offspring escreveu: Nem dá pra falar que zerar DKC é dar uma de overday, mainstream demais

    tinha que ter jogado algum jogo de luta obscuro que saiu pro game gear e é objetivamente pior que as versões de console, aí sim, overday cover
    Infelizmente o Game Gear não tem nenhum grande jogo de luta, na verdade deve ter no máximo uns 10 jogos de luta diferentes e todos bem fraquinhos :chorar:

    Mas tem uns jogos de plataforma maneiros que são melhores do que muita coisa que saiu nos consoles de mesa :bigode:
    sonic 1 e 2 de gamegear são melhores que os de mega drive, mas as versões de master são superiores

     overday
  •  20941 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Mota Offspring escreveu:
    overday escreveu:
    Mota Offspring escreveu: Nem dá pra falar que zerar DKC é dar uma de overday, mainstream demais

    tinha que ter jogado algum jogo de luta obscuro que saiu pro game gear e é objetivamente pior que as versões de console, aí sim, overday cover
    Infelizmente o Game Gear não tem nenhum grande jogo de luta, na verdade deve ter no máximo uns 10 jogos de luta diferentes e todos bem fraquinhos :chorar:

    Mas tem uns jogos de plataforma maneiros que são melhores do que muita coisa que saiu nos consoles de mesa :bigode:
    sonic 1 e 2 de gamegear são melhores que os de mega drive, mas as versões de master são superiores
    Também não vamos exagerar

     Banido
  •  210 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Ainda vou entrar nesse tópico um dia e ver que o overday zerou um jogo bom na vida.
    Rules  isso

     Kar
  •  36774 posts
  •  

    Avatar do usuário

    6 - Mass Effect 2

    7 - Mass Effect 3

    8 - A Plague Tale: Innocence

     overday
  •  20941 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Banido escreveu: Ainda vou entrar nesse tópico um dia e ver que o overday zerou um jogo bom na vida.
    Assim disse o cara que classifica Destruction all stars como um destaques do PS5
    Kar, Rules  isso

     overday
  •  20941 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Terminei hoje o primeiro Sonic do Game Gear... no Game Gear Micro. Bom saber que a visão está em dia, não preciso fazer um exame de vista tão cedo 8-)

    Imagem

     overday
  •  20941 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Ontem à noite terminei no Switch um jogo que eu estava jogando há alguns dias e que não fazia ideia se estava próximo do fim ou não: The friends of Ringo Ishikawa.

    Imagem

    É um jogo indie originalmente lançado para o PC em 2018, portado digitalmente pro Switch em 2019 e que em 2020 recebeu a edição física. Eu nunca havia ouvido falar até a E3 (digital) de 2020, quando o jogo apareceu na apresentação de jogos físicos da Limited Run. O trailer me enganou direitinho, mostraram só cenas de porradaria típica de beat 'em ups, com aquele visual escolar de Yu Yu Hakusho, não pensei duas vezes: tomei nota do nome e assim que iniciaram as vendas, comprei.

    Imagem

    Eles venderam o jogo como sendo um "beat 'em up onde o personagem precisa balancear sua vida de líder de gangue com os estudos e ainda manter a sua forma", só que não é nada disso, então segura o wall porque a decepção foi grande e preciso desabafar. Nem dá pra chamar de beat 'em up já que TODAS as lutas podem ser ignoradas, com exceção de uma que faz parte da história; dá para fazer o personagem estudar para tirar melhores notas mas isso não tem QUALQUER consequência ou vantagem no desenrolar do jogo, tanto faz você ser o melhor ou o pior aluno da escola, não muda nada no jogo, e embora você possa ir para a academia ou treinar nos aparelhos do parque para aumentar os seus atributos, uma vez que as lutas são todas opcionais isso se torna totalmente irrelevante. No fim das contas tá mais para um RPG bastante vazio onde literalmente você precisa ficar andando de um lado para o outro no mapa do jogo esperando pelos eventos que fazem a história avançar, sem qualquer indicação de como disparar esses eventos (desconfio que é entrar em uma área específica do mapa em um período específico do dia, já que o jogo tem um calendário/relógio internos). Imagine-se jogando um RPG em chinês, sem ter a menor ideia do que fazer em seguida e andando/fazendo coisas aleatoriamente na esperança do jogo avançar, é basicamente isso aqui, mas com o jogo em inglês.

    Quiseram fazer (ou melhor "quis fazer", já que o jogo foi feito por um cara só) um "life simulator" do protagonista, Ringo, de modo que o jogador vivesse todas as experiências do dia a dia dele, que seria ir para a escola, se meter em brigas, se exercitar, assistir a filmes, ler livros, etc, enquanto avança sua relação com os amigos. Só que como eu disse acima, chega um ponto que você percebe que nenhuma dessas atividades têm qualquer relevância no desenrolar do jogo e são pura enrolação. Você pode roubar os inimigos derrotados, arrumar um emprego de meio período ou estudar bastante para receber a ajuda de custo da escola. Pra que? Pra nada, pois as coisas onde você pode gastar o dinheiro não mudam nada. Você pode comprar livros e sentar em sua cama pra ler, o que não muda nada. Pode comprar filmes para assistir na TV da sua casa, o que não muda nada. Pode jogar na máquina de pôquer e ganhar mais dinheiro, que não adianta para nada. Pode comprar comida para tentar manter o indicador de fome do personagem em um bom nível, só que percebi que tanto faz ele estar alimentado ou não, então quando percebi isso parei de comprar comida e deixei o status como "faminto" o resto do jogo, não fez diferença alguma. Se você souber em qual parte da cidade precisa estar e em qual parte do dia, você pode literalmente deixar o personagem parado esperando o tempo passar, ir para o local certo e disparar o evento que avança a história. Só que como não sabe onde/quando o próximo evento ocorre (e não há qualquer indicação no jogo quanto a isso), fica o tempo todo correndo feito uma barata tonta aleatoriamente ou fazendo aquelas atividades inúteis, achando que elas estão fazendo o jogo avançar de alguma forma, até que ocasionalmente, por sorte, você passa pelo local correto na hora certa e faz a hora avançar. A ideia do cara que fez o jogo foi boa? Até que foi, mas muito mal executada. Além de ter pensado em uma forma das atividades que podem ser realizadas terem alguma relevância no personagem ou no transcorrer da história, devia ter uma forma de ter ao menos algum direcionamento de qual é o próximo passo em vez de deixar o negócio tão aparentemente aleatório.

    Pior que nem o enredo salva. O jogo devia contar a história de Ringo e seus amigos (daí o nome do jogo) durante seu último semestre na escola antes da formatura. Mas o que devia ser uma história de amizade e companheirismo ou coisa assim acaba de uma forma tão wtf que eu até fui procurar no Youtube vídeos de outras pessoas zerando o jogo pra ver se eu é que teria estragado o fim com alguma ação durante o jogo (e descobri que não, sempre acaba igual). Spoilers a seguir, mas acho que ninguém aqui vai jogar isso mesmo. O jogo começa com Ringo e seus amigos voltando de mais uma briga com uma gangue rival, no início do último período da escola antes de cada um seguir o seu rumo. Todos os eventos que são disparados aparentemente aleatoriamente envolvem Ringo e um desses amigos (ex: um deles vem pedir ajuda a Ringo pois se meteu em uma dívida de jogo, outro vem pedir para o acompanhar em um encontro duplo com uma garota em que estava a fim, etc). Aí beleza, a cada evento desse você acredita que está vendo os laços de amizade cada vez mais fortes com cada personagem até que na missão final, que começa após a turma se envolver em uma briga, DO NADA todos os amigos resolvem abandonar Ringo. Na missão final, a namoradinha de um dos membros da turma está traindo ele com um estudante de outra escola, aí vocês vão e metem a porrada nele, e para se vingar disso a gangue dessa outra escola pega um dos caras da sua turma enquanto andava sozinho e o deixam em coma. Ringo fica com sangue nos olhos e resolve ir acabar com o líder dessa outra gangue, marca com todos na estação de trem às 6 e quando chega a hora, ninguém aparece e um dos traíras diz que "ninguém mais liga para isso".

    Imagem

    Ringo então vai sozinho enfrentar toda a gangue rival (uma luta contra dezenas de inimigos onde você não perde, sempre que o HP cai a zero ele volta sozinho, até que alguns minutos depois o logo do jogo aparece na tela mostrando que os "amigos" de Ringo Ishikawa o deixaram na mão enquanto ele, sozinho, tenta vingar o companheiro, e fim, créditos na tela).

    Imagem

    Tipo, o negócio não faz o menor sentido. Se durante o jogo fossem sendo mostrados que os laços de amizade estavam sendo desfeitos ou algo assim, beleza, mas é justamente o contrário, até a penúltima missão todo mundo tava lá lutando de boa juntos, até pelos motivos mais ridículos, e aí justamente quando é pra vingar um companheiro deixado em coma todo mundo diz "ah cansei disso, se fode aí sozinho". Zero sentido no desfecho desse jogo. Pelo menos (acho) que serviu para mostrar o porquê do "friends" estar estilizado com "f" minúsculo no logo/título do jogo, deve ser pra indiciar que os "amigos" de Ringo, no fim, não se mostram tão amigos assim.

    Jogo com um puta potencial desperdiçado assim, que desânimo. Pior que vi uns comentários de gente que adorou, que achou uma "experiência única" e coisa assim, então ¯\_(ツ)_/¯

     Lakitus
  •  38144 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Imagem

     Banido
  •  210 posts
  •  

    Avatar do usuário

    overday escreveu:
    Banido escreveu: Ainda vou entrar nesse tópico um dia e ver que o overday zerou um jogo bom na vida.
    Assim disse o cara que classifica Destruction all stars como um destaques do PS5
    Jogo de "janela de lançamento", seu analfabeto funcional. Eu mesmo disse que o jogo (Destruction All-stars é uma merda, tanto que nem vinculei a minha conta/biblioteca da PSN, mesmo sendo de graça.

    Isso não muda o fato de que você só joga merda.

     Banido
  •  210 posts
  •  

    Avatar do usuário

    The friends of Ringo Ishikawa

    :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper: :lolsuper:
    • 1
    • 357
    • 358
    • 359
    • 360
    • 361

    MENSAGENS RECENTES

    OSCAR 2021

    Best Film Supp. Actress Amanda Seyfried Erro[…]

    https://twitter.com/felipeneto/status/136591158069[…]

    Coitado do Crespo. Esse time do São Paulo[…]

    Gol saiu de jogada treinada. Parecido com aquele g[…]



    O melhor conteúdo: seguro, estável e de fácil manutenção, desde 2012